Administradores do Mercosul avaliaram os 25 anos do bloco enconômico durante evento em SC

O único evento dirigido à profissionais da administração do Mercosul,  o  XXII Congresso de Administração do Mercosul (CONAMERCO), reuniu em três dias em Florianópolis, mais de 400 pessoas. O VII Seminário de Mediação do Mercosul (SEAMERCO), também fez parte do evento internacional que celebrou os 25 anos da criação do Bloco Econômico. O Congresso foi aberto pelo presidente do CRA-SC o anfitrião Adm. Evandro Fortunato Linhares. Em seu discurso, o presidente exaltou o trabalho conjunto dos conselhos catarinense, gaúcho, paranaense e federal para a realização do evento internacional, segundo ele “o encontro foi  realizado por um esforço mútuo, em prol da valorização da profissão”. Evandro Linhares aproveitou o momento para destacar a atuação do CRA-SC nos últimos anos, informações publicadas no recém-lançado Relatório de Atividades 2015, e falar sobre o momento de instabilidade que vive o país, “passamos por uma grande crise de gestão, precisamos de bons Administradores para reorganizar o Brasil”. O presidente encerrou sua fala com uma mensagem aos presentes sobre a profissão, “a Administração é a arte do possível”. Os presidentes do CFA, Adm. Sebastião Luiz de Mello, do CRA-RS, Adm. Walter Luiz de Lemos e do CRA-PR, Adm. Gilberto Serpa Griebeler, também  destacaram a importância dos Administradores como agentes de mudança e a realização do CONAMERCO e SEAMERCO, que trarão um exemplo de convivência entre os povos do Mercosul.
O ex-capitão do BOPE Paulo Storani, foi um dos destaques da programação, ele abordou o tema:  “Construção de uma tropa de elite com foco na gestão”. O palestrante criticou a cultura brasileira de pouco incentivo à educação, “aqui somos acostumados a aceitar notas medianas, estudar apenas para passar de ano, quando o correto seria ter vontade absoluta de fazer o melhor”. Storani ressaltou a importância de ter determinação e sempre buscar o protagonismo em suas ações, “precisamos nos preparar para o pior, saber lidar com enfrentamento de crises, é fundamental realizar análises de desempenhos pautadas por conduta, qualidade e resultado”. A experiência do palestrante é acumulada desde o tempo em que comandava uma unidade do BOPE no Rio de Janeiro, o ex-capitão contou aos presentes toda a história do Batalhão de Operações Especiais, as dificuldades encontradas durante as missões e o desenvolvimento do espírito de equipe em cada batalha realizada.

Fonte: http://www.crasc.org.br/crasc/portal/interna.php?secao_id=23&campo=2557